NEM AQUI, NEM ALI, NEM ACOLÁ¨

NEM AQUI, NEM ALI, NEM ACOLÁ¨
Clique no livro para comprar pela Internet

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Sol, sons e sonhos

              Lágrimas de encarcerados da prisão de Robben Island, homens negros enfrentando com convicção e coragem as condições draconianas em que viviam. Hoje choravam, separados do mundo desigual que eles queriam mudar. Muro impenetrável e um oceano hostil. Trabalhando na pedreira, repentinamente ouvindo vozes e gritos de crianças pela primeira vez há muitos anos. Rememorando a ocasião, os olhos úmidos do meu interlocutor procurando no centro do crânio resquícios duradouros daquele momento. Esperança, crianças trazendo o futuro mais próximo. Incertezas do presente perdidas na contemplação da beleza da liberdade de vozes infantis.

            Tínhamos uma visão ampla do mar turquesa. Oceano retangular, emoldurado pelos galhos arqueados da copa do cajueiro e a areia da praia.  Momento de paz e solidão criativa, distraído ocasionalmente pelo balé das marolas, gritos infantis e o cheiro intenso da maresia. Sete crianças desafiando a força das águas, extrapolando os limites da capacidade física e da criatividade. Diante deles, um mundo infinito de adereços, trazidos pelo mar ou improvisados para criar uma nova atividade. Pedaço de isopor usado como uma prancha, varas transformadas em caniços, ou simplesmente correndo em todas as direções como se escapando de quimeras escondidas nas brancas espumas do mar da Bahia. Pessoas e animais passando despercebidas.

            Pequenas tartarugas tentando sair do sargaço, anônimas, perdidas na imensidão da areia em busca da imensidão do mar. Descobertos pelas crianças, os répteis transformando-se em objetos didáticos. Pequenas mãos formando conchas para transportá-los até um ponto seguro. Missão cumprida, a brincadeira recomeçando repentinamente. Observávamos um mundo infantil em mudança perpétua. Revivemos aqueles tempos quando erámos crianças, tudo era o possível e nada o impossível. Lembramos dos homens de Robben Island.


Palmarí H. de Lucena é membro da União Brasileira de Escritores

Nenhum comentário: