NEM AQUI, NEM ALI, NEM ACOLÁ¨

NEM AQUI, NEM ALI, NEM ACOLÁ¨
Clique no livro para comprar pela Internet

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Sonho de uma tarde de inverno

             Majestade das palmeiras embaçada pelo céu cinzento, quimeras aparecendo e desaparecendo no espelho d’agua. Imagens entrelaçadas em um momento de luz, procurávamos o passado no presente. Vozes perdidas na balbúrdia do restaurante, telas dos seus celulares bloqueando a visão ao nosso dispor. Resistimos à distração intramural.  Bicicletas e patins seguindo tranquilamente a circunferência da lagoa, sem a adrenalina e a audácia difusa do um playground humano. Ausência de carros e motos, gramados bem cuidados e equipamentos urbanos ainda cheirando a tinta, estávamos em um lugar mágico sem cheiro de perigo. Havíamos voltado ao passado...

            Palco de um comício memorável do Cavalheiro da Esperança, o Cassino da Lagoa abrigava manifestações políticas e espetáculos musicais, independente do viés ou tendência dos protagonistas. Chão comum da comunidade, alheio às divisões do espaço social prevalentes na sociedade. Dançávamos ao som de conjuntos “prata da casa “ competindo com os metais estridentes e os gritos primais dos músicos de Ruy Rey, o Rei do Mambo do Brasil e o romanticismo meloso de Ray Conniff. Ah! Como sonhávamos embalados pela música de Waldir Calmon, a trilha sonora de um primeiro beijo. Homem em uma bicicleta ordinária tentando suportar vinte e quatro horas pedalando ao redor da Lagoa, tudo era uma novidade. Outra lembrança.

            Perdemos nossa inocência. O Parque Sólon de Lucena de alhures desapareceu do nosso cotidiano. Lumpenização causada pela falta de medidas concretas para a instalação de saneamento moderno, reordenamento urbano e a restauração das áreas verdes no seu entorno, transformando o logradouro em uma área desdenhada e temida pela população. Repentinamente, ouvimos risos e gritos de crianças brincando nos equipamentos e na grama verde, o presente ressuscitou o passado feliz, com o cheirinho gostoso da comida do restaurante. Sentíamos mais segurança na tarde tranquila do presente, degustando bocados dos dias passados.

Palmarí H. de Lucena, membro da União Brasileira de Escritores


Nenhum comentário: